Fechando a campanha #6 – LIVE (GT Sport)

Dando sequência a campanha do GT Sport, aqui estamos nós na Liga Amadora da GT League. Depois do sufoco na Clubman Cup semana passada, e já com a Tourist Trophy concluída, avançamos para a 4WD Challenge a começar por Saint-Croix a bordo do Subaru Impreza 22B-STI Version ’98. A maldição da última volta me tomou e rodamos duas vezes por isso nesse circuito. Na segunda rodada mantendo tudo igual já que o problema era o piloto a IA despertou junto acompanhando até o final em busca de nos derrotar novamente, mas não conseguiu.

Corrida na terra em Sardegna usando o Logitech G29 a bordo do excelente Mitsubishi Lancer Evolution IV GSR ’96 foi um verdadeiro passeio no parque, mas foi uma corrida bonita de se ver, apesar dos estalos do volante.

A FR Challenge já havia fechado offline, então partimos para as três corridas restantes do Boxer Spirit, para carros com pistões do motor virados opostamente. A ideia para a primeira corrida era a Kombi em Nürburgring GP, mas descartamos de cara devido a pouca potência, e então seguindo a galera na Live pegamos a chave do Porsche 911 GT3 RS (991) ’16. O carro era overpower demais e aí sim, foi o momento mais conversa e menos prova da live, mas papeando de GT7, de A110 e outros assuntos aleatórios.

Prova seguinte para Willow Springs tentei largar com a Ferrari 512 BB ’76, única Ferrari com o curioso fato de ter motor com cilindros opostos. Stock, se demonstrou arredia demais para o percurso e não foi capaz de tomar a primeira posição. Derrota assumida pela prova difícil da pista mais veloz do deserto, a galera mandou o Toyota 86 GRMN ’16, uma versão tunada do 86GT, que demonstrou rodar com pneus esportivo suave como se estivesse calçando corrida super suave, tamanha a exagerada aderência do modelo que tomou a vitória.

Última prova da noite, Tsukuba reservou uma surpresa para nós! A corrida a bordo do Subaru WRX STI Type S ’14 parecia no papo quando “do nada” surge um Porsche e simplesmente vai embora e não nos dá nenhuma chance de competir de igual, por mais que o Subaru fosse excelente, o Porsche 911 era invencível. Segunda rodada foi o momento mais tenso, equipei o necessário do Subaru e recomeçamos a prova em busca de nada mais, nada menos, que ter em mente apenas uma coisa… abrir tempo em relação ao Porsche no trânsito da corrida… quando tomamos a ponta buscamos até o último momento abrir tempo e tão logo o Porsche deu sinal de ganhar a segunda posição ficamos brincando de gato e rato, sendo o nosso Subaru um ratão…. vitória com o Porsche no nosso cheiro, logo atrás!